O fenômeno das Boys Bands e das Girls Bands começou praticamente ao mesmo tempo. Houve um primeiro surto na década de oitenta, com o New Kids on the Block para o lado masculino e o Bananarama para o lado feminino, mas todos sabem quem levou as mulheres para o topo.

Em 1996, o hit Wannabe, das Spice Girls, transformou 5 inglesas na maior sensação do mundo pop e desde então, as Girls Bands vem dominando corações e mentes ao redor do globo. Todos nós vimos surgir vários grupos como All Saints, Destiny’s Child e, mais recentemente, Pussycat Dolls.

No mundo invasivo, a moda também pegou. Espalhadas pelos recônditos escondidos do pop, girls bands surgem e somem sob as mais variadas formas e línguas. Para citar alguns exemplos, temos o M-kids, da Bélgica; a Fabrika (Фабрика), da Rússia e a espanhola Las Ketchup, que apresentou para o mundo “Asereje“.

Porém, não há terreno mais fértil para as Girls band que o leste asiático. Japão, Coréia do Sul, Taiwan, China. Parece que elas se multiplicam por lá. O sucesso é tamanho que um dos dias da semana Japão é dedicado a elas, com o destaque para a banda Bon Bon Blanco.

O certo é que sempre teremos as Girls bands. Algumas explorarão a inocência de garotas abaixo dos 15 anos, enquanto outras exploração a sexualidade daquelas que passarem a idade agora mesmo mencionada. As coreografias e melodias marcantes sempre acompanharam essas garotas onde quer que elas forem e sempre haverá muitos fãs atrás, acompanhando.

Por fim, segue o clipe da música “Yalan”, da girl band turca Hepsi, só pro baiano não se sentir negligenciado…