Os caras acima começaram a carreira cedo. Quando ainda estavam cursando o secundário venceram um concurso de bandas com o La-on (ละอ่อน). Gravaram um cd, uma trilha sonora e depois tiraram umas férias para completar os estudos. Cinco anos depois, três integrantes do La-on se juntaram para fazer um rock mais pesado que a levada pop de sua antiga banda, surgia então o Bodyslam.

Com quatro cds no curriculum e um baterista na bagagem, o Bodyslam ganhou prêmios como Música do ano (“Khwam Chuea” do cd Believe). O som da banda foi sofrendo algumas modificações, em setembro de 2007, chegou as lojas o disco Save my life, que incorpora elementos do movimento conhecido como pós-punk pop.

Alguns podem falar que isso é um eufemismo para Emo, mas eu tentarei manter a minha objetividade e evitarei os rótulos fáceis. A verdade é que o som do Bodyslam segue a linha de nomes consagrados desta febre mundial como é o caso do Fallout Boy e The academy is…. O som marcante das guitarras e o vocal bem característico são as marcas registradas deste trabalho, mas algo mudou deste Believe.

A experimentação com o eletrônico é o elemento novo deste cd. Toon (Athiwara Khongmalai/อาทิวราห์ คงมาลัย), o vocalista, faz seus próprios backing vocals e utiliza vários efeitos que terminam em um resultado bem positivo.

Os destaques vão para as faixas “Yar Pid” (ยาพิษ) e “Tarn poo chon” (ท่านผู้ชม) em que a experimentação eletrônica é mais evidente. Para você conferir um pouco de Save my life, segue abaixo o clipe de “Yar Pid”. Qualquer semelhança com um clipe do NXzero não é mera coincidência.

http://youtu.be/35clndDE15I