A capa do novo álbum dá o recado: o Miranda! é pop e não tem vergonha disso. Fast music que ataca o coração e cola direitinho. Uma ouvidinha e lá está você cantarolando no dia seguinte. El Disco de Tu Corazón teve seu lançamento cercado de muitas expectativas e se não atendeu a todas ao menos mostrou que o eletro-pop-melodramático dos porteños veio para ficar. O disco, bem produzido, já gerou alguns sucessos e rendeu indicações para os prêmios da MTV e o Grammy Latino.

“Prisionero”, primeira música de trabalho, abre o álbum e mostra que algo mudou. Mas a pulga atrás da orelha aos poucos é dissipada com a boa seqüência inicial. “Hola” conserva o frescor das batidas eletrônicas alegres do álbum anterior (Sin Restricciones), “Perfecta” traz pitadas de reggae e ganha charme com a participação da mexicana Julieta Venegas. “Enamorada” fecha bem essa primeira parte do cd, na voz segura da vocalista Juliana Gattas e nos rifes da guitarra de Lolo.

Éramos cinco

Em meio às letras ingênuas e os tons agudos de Ale Sergi surge a suave constatação de que algo cambió. Um membro a menos faz diferença. Bruno, o responsável pelas programações musicais, deixou a banda um mês antes do lançamento do álbum e também um vazio, que ecoa pelas canções.

E assim passeia o Miranda! por músicas com cara de lado b, pedacinhos sem alma de um coraçãozinho despedaçado :(. “Voces”, “Hasta hoy”, “Vete de aqui” e “No me celes” são bons exemplos. Mais românticas, menos dançaveis, com carinha de dor de cotovelo. Do ar alegre de “Don”, “Yo te Diré” (de Sin Restricciones) e “Hola” para uma atmosfera quase melancólica. Respiros de um álbum que nos deixa um tanto sem ar. A adolescência parece mesmo o período dos altos e baixos. Agora resta saber em qual direção vai o trabalho da banda.

O fato é que apesar das contra-indicações vale a pena provar do chicletinho argentino. É som que ajuda a refrescar o mercado musical latino-americano, menos do mesmo. Deixo os leitores com o clipe de “Prisionero”, a primeira faixa do disco.