Ele pode parecer balada de amor, dance music, hip hop ou alguma canção folclórica. O manele, ritmo romeno surgido no final dos anos 80, é tão popular quanto polêmico. Criticado pela elite intelectual do país, o estilo musical é taxado de vulgar, pobre e de mau gosto. E ninguém dá a mínima.

Ainda que discriminado pelos grandes veículos, o manele ganha cada vez mais espaço na mídia com sites, pequenos canais de TV e emissoras de rádio especializadas no ritmo. Há alguns anos atrás, uma versão manele do hino romeno foi ao ar durante um especial de TV comemorativo ao Dia Nacional da Romênia. O evento, embora tenha gerado protestos, deixou clara a representatividade do manele como elemento da cultura popular contemporânea do país.

Democrático

Os cantores vão de tios bigodudos de camisa aberta a menininhas de shortinhos de couro e mechas no cabelo. Há de se afirmar, portanto, que a pesquisa de clipes foi no mínimo divertida. Laura Vass faz um estilo Britney Spears, com vídeos sensuais e manele bem pop, Mr. Juve e Don Genove se aproximam ao máximo dos rappers americanos – visualize correntes e bandanas –, Nicolae Guta tem uma queda por garotas rebolantes de top e calça de cintura baixa (onde foi que eu já vi isso??), Florin Salam e Adrian Minune são mais tradicionais e puxam bastante para o folclore cigano da região.

E de presente, deixo a prova de que o manele CRESCE e APARECE cada dia mais na terrinha do Drácula. Você ainda vai ouvir esse ritmo de novo. Babi Minune com “Made in Romania”.

“Eu sou o Jonathan da nova geração!”