A MTV produziu tantos, mas tantos acústicos, que até quem nunca foi elétrico, como o sambista Zeca Pagodinho, fez o seu próprio disco e, nessa onda, teve cantor que faturou muita grana fazendo versões “unplugged” dos outros. Resumo: esse formato encheu o saco!!!

Porém, aconselho vocês a voltarem no tempo, para a época em que as versões acústicas ainda soavam como novidade, e ouvirem com carinho o álbum Los Tres: Unplugged, desse importante grupo chileno que se desplugou em 1995, antes mesmo dos Titãs se jogarem nesse nicho musical.

O disco traz os maiores sucessos do grupo, que até então tinha lançado apenas três discos e já reverberava para fora das fronteiras daquele país alto e magro. O estilo? Pop Rock com muita influência de folk music americana e rockabilly. A formação? Quatro músicos, apesar do nome Los Tres.

O ritmo contagiante somado a letras fragmentadas com frases de efeito é a marca de hits como “La espada y la pared”, “Sudapara” e “Tírate”. Nessa linha, o maior destaque é “Dejate caer” que, por sua melodia envolvente e a beleza sonora de seus versos, é uma das grandes canções do pop rock sul-americano (apesar da total falta nexo da letra).

O disco também traz faixas românticas como “Un amor violento” e “Me rompió el corazón” e, num encerramento bastante chileno, são executadas três canções do cantor folclórico Roberto Parra.

Para os mais ligados nos arranjos, o disco também é um prato cheio. O baixo acústico de Roberto Lindi deixa a sonoridade da banda inconfundível e a precisão técnica e velocidade de Ángel Parra dão inveja a qualquer guitarrista. Os arranjos de bandolim e acordeom trazem refinamento, sem nenhum excesso ou forçação de barra.

Abaixo nós ficamos com “La primera vez”, canção que “homenageia” o ditador Augusto Pinochet com os versos:

“Espero que você caia, que caia de joelhos, que cuspam na sua cara e que você saiba morrer”.