O título não tem a ver com alguma casa noturna voltada para lésbicas, mas sim com o CD mais recente da cantora italiana Carmen Consoli, Eva contro Eva, publicado em maio de 2006. Não é nada saído do forno, mas ainda está sendo bastante servido no cardápio da artista.

Carmen Consoli (lê-se “Cônsoli” e não Costoli, como pensaram alguns bárbaros) segue a base prevalecentemente acústica de seus trabalhos anteriores. “Tutto su Eva”, a faixa inicial e quase homônima ao álbum, “Sulle Rive di Morfeo” e “Preghiera in Gola”, entre outras, são exemplos de canções mais acústicas e lineares.

O som se eleva um pouco em “Signor Tentenna”, que foi o primeiro single retirado do álbum. Esta canção foge um pouco da temática de feminilidade e maternidade do álbum: em vez de tratar dos pensamentos cotidianos das mulheres, nesta faixa Carmen canta as aflições deste senhor que se vê às voltas com uma mulher neurótica e ciumenta, incapaz de enxergar os reais dilemas e inquietações do companheiro. Em “Maria Catena” e “Il Pendio dell’Abandono”, nos deparamos com um cromatismo todo especial, que bebe na música folclórica tradicional da própria Itália.

O destaque do CD, no entanto, fica para os samplers e participações especiais, importantes para estender as dimensões musicais da cantora. Em “La Dolce Attesa”, temos uma gravidez psicológica e uma inserção da voz de Rosa Balistreri, cantando em dialeto siciliano. “Madre Terra” é compartilhada com a beninense Angélique Kidjo. Com um quê de universalidade e de pertencimento ao planeta, a faixa tem as duas vozes fundidas harmonicamente no refrão, mas cada cantora vem construindo sua estrofe como se músicas independentes fossem.

O CD Eva contro Eva não está presente na semana especial das pílulas da Itália, dando lugar a outras canções já consagradas de Carmen Consoli. Mas como felizmente o Invasões é um projeto multimídia, o nosso programa semanal não deixa passar em branco este refinado trabalho da música popular italiana. E abaixo você confere o clipe de “Tutto su Eva”.