Famosa entre 9 em cada 10 aficionados pelo idioma alemão, a banda Die Ärzte tem 25 anos de uma carreira sólida e uma vasta discografia. O estilo da banda é marcado pelo punk rock recheado de humor e de irreverência, o que se traduz nas letras e também nas canções, cujo ritmo e melodia variam bastante conforme a atitude que se quer imprimir.

Pouco temos a acrescentar em relação a uma banda tão bem conhecida e bem documentada, mas é interessante anotar a relação da banda com o nosso trabalho do Invasões Bárbaras. Die Ärzte tem muito em comum com a nossa proposta e formato, seja pela atitude punk e iconoclasta, pelo humor que se propõe refinado e que alfineta críticas sociais com leveza de espirito, seja pela música feita de forma descompromissada como que dizendo “escute-nos, mas nem precisa nos levar tão a sério se achar que não é apropriado” ou, ainda, pela capacidade de reunir sonoridades diferentes numa salada em que a forma está a serviço do conteúdo.

Recentemente em uma reunião de programação musical dos DJs Bárbaros comentei que Die Ärzte tinha a cara do Invasões. Esse meu comentário foi logo rechaçado por falas como “Que absurdo! Mas por quê? É apenas uma banda comum, é muito ocidental, a “cara” do Invasões é o Daler Mehndi!”.

Ora, quem ainda acha que Die Ärzte é apenas mais uma banda ocidental como qualquer outra e que não acrescenta nada sobre a cultura de seu próprio país deveria primeiro procurar conhecer melhor o trabalho da banda. Além do mais, Daler Mehndi é a cara do Vetrô, isso sim, e ser a “cara” do Vetrô não o credencia automaticamente para ser a cara do Invasões. Daler Mehndi é expoente do bhangra, um ritmo popular, diria até popularesco da Índia e Paquistão, e o simples fato de ser exótico ao nosso olhar não o torna a síntese da proposta de trabalho do projeto Invasões Bárbaras. Até porque, se primarmos sempre por realçar o aspecto exótico dos nossos artistas globais estaremos fugindo da nossa proposta: promover a ponte entre as diversas culturas, mostrando os artistas inseridos no seu contexto social e não fazendo um mero safári musical como muito já vem sendo feito por outros programas. O Invasões não pode ter como ícone um artista cujos aspectos que saltam aos olhos são as dancinhas e a barba por fazer, quando há tantos outros que se propõem a dizer mais sobre a música e sobre sua cultura, e isso não só na Alemanha, mas na África do Sul, no Quirguistão, no México e por aí vai.

Isto posto, em breve traremos aqui no blog algumas letras da banda Die Ärzte para que a proposta da banda seja melhor compreendida. O nome Die Ärzte, que quer dizer “os médicos”, foi escolhido porque, em visita a uma loja de discos, os integrantes da banda perceberam que não havia nenhuma outra cujo nome começava com “a”, e que portanto havia uma lacuna a ser preenchida. E, por fim, a explicação do título: Farin Urlaub, Bela B. e o chileno Rodrigo Gonzáles se autodenominam “Die beste Band der Welt” (A melhor banda do mundo” não por falsa modéstia exacerbada, mas puramente em referência ao Kiss, que por sua vez se considera “The hottest band in the world” (A banda mais quente do mundo). Mais uma vez fica o recado: não precisamos ser levados tão a sério.