Vetrô mandou e eu obedeço: vou abrir meu coração. Há algum tempo, não sei como nem por quê, comecei a ser encarregada de pesquisar bandas da Ásia aqui para o Invasões. Tudo muito interessante: dancehall tailandês, pop rock japonês, bhangra indiano… Interessante, mas nada que coincidisse com meu gosto pessoal para música. Até que, um dia, achei algo que poderia se aproximar: Roller Coaster, um acid jazz da Coréia do Sul.

Essa banda tem seus primórdios em 1999, quando os membros Jinu (baixo e programação eletrônica), Jo Won-sun (vocal e teclado) e Lee Sang-soon (guitarra) se juntaram para formar o primeiro projeto com essa proposta na Coréia do Sul. O som deles mistura rock, batidas eletrônicas, jazz, funk, soul music e bossa nova. O meu primeiro contato com o Roller Coaster foi através do clipe da música “Can’t Hide”, de 2006, que diferente de muita coisa que eu já vi em pesquisas, é bem bacana.

Tempos depois, fiz uma segunda pesquisa, e ela me levou aos primórdios do grupo, às músicas mais pop cujo viés eletrônico se destaca. Essa fase não me agradou muito: é colorida demais, alegre demais, uma coisa bem diferente de “Can’t Hide”. Assim, para não desmentir Vetromille, digo: Roller Coaster é minha banda preferida de uma música só.