Este Invasões descobre coisas…Não deu para incluir nas pílulas da Suécia, mas semanal, DJs Bárbaros e blog estão aí pra isso.

O artista em questão foi indicação de um conhecido da Suécia que estava por dentro das tendências de seu país e também sabia que eu era brasileiro. Pus pra ouvir, já pensando que seria uma coisa do tipo bossa-nova, que é a visão de música brasileira que se tem lá fora. Felizmente, a música mostra a que veio logo na abertura: bateria, uma seqüencia longa de percussão e eis que entra a guitarra combinada com a base de tambores e os gritos de “Hey, hey!”, numa receita que passaria despercebida na voz de Durval Lélis ou Tuca Fernandes , em shows de Asa de Águia ou Jammil e Uma Noites, respectivamente.

Håkan Hellström é tão pop, mas tão pop, que chega a dar volta e virar indie. A apoteose da carreira foi a sua apresentação da música “Vamos Fugir”, cantada em bom português para uma platéia que incluía um admirado Gilberto Gil ao lado da rainha Sílvia. Mas isto é assunto para o quadro Conversões do semanal.

A presença de Gilberto Gil é um indício de que este axé sueco de Håkan Hellström não nasceu por acaso nas ruas nevadas de Gotenburgo, terra natal do artista. Não que isto não fosse possível, pois reza a ciência que várias descobertas científicas aconteceram simultaneamente em pontos distantes do globo, sem que um cientista tivesse acesso ao outro. Além disto, grosso modo, axé music é percussão africana com guitarras aceleradas, nada impossível de ser pensado alhures. No caso de Håkan, porém, o seu trabalho começou com uma viagem ao Brasil em que estava dando uma de repórter, em 2002. Na ocasião, fez aquele roteiro básico de visitar escola de samba. Na volta, veio o CD Det Är Så Jag Säger Det, expoente máximo do axé music sueco. Ou seja: Håkan Hellström também resolveu fazer a mistura de tambor com guitarra elétrica.

O resultado disso tudo é bem-humoradamente familiar, ainda que mantenha o estilo dos vocais mais agudos e abafados de seu autor. Mas, a julgar pelo conjunto da obra, a influência da música brasileira em Håkan Hellström é bem mais antiga: o seu primeiro CD, Känn Ingen Sorg För Mig Göteborg, tem a faixa “Ramlar” que também me foi enviada como exemplar da música sueco-brasileira. Bem, isto é questão de ouvir no semanal, no DJs Bárbaros e testar se dá reggae ou não, ou, melhor dizendo, axé.

A esta altura você deve estar se mordendo de curiosidade para saber como soa o tal axé sueco. Bem, a música que gerou toda esta discussão foi “Mitt Gullbergs Kaj Paradis”, algo como “Meu paraíso do cais da bela montanha”. Não foi feito clipe para esta música, uma pena. Mas logo abaixo temos um clipe caseiro de fãs com um bom trecho da música, para matar a vontade. Não consegui descobrir se é uma homenagem ou uma sátira, mas enfim, o importante é o conteúdo sonoro.

E para não fazer feio com a obra do artista, deixo também o clipe oficial da música “Kom Igen Lena”, que está no álbum do axé em questão e também foi single. Dúvidas, sugestões, curiosidades, é só entrar em contato e acompanhar o semanal e os DJs Bárbaros.

http://youtu.be/sGstUOPcPLo