As pesquisas musicais realizadas pelos membros do Invasões Bárbaras partem, na maioria das vezes, de conversas e opiniões de intercambistas brasileiros e/ou também de nativos dos países estudados. Neste sentido, salas de bate-papo ao redor do mundo são fonte de pesquisa comum e muito útil.

Impulsionado pela curiosidade gerada pela pesquisa sobre o black metal norueguês parti em busca de respostas. Alguns dias de presença assídua e nada… Os “nãos” se aglomeravam e ninguém dizia conhecer ou lembrar das igrejas queimadas pelo Inner Circle da Noruega.

Alguns como a estudante Olga, de 22 anos, chegaram a se supreender com as informações.”Tem certeza? Aqui na Noruega? Nunca ouvi falar disso.”

Karoline, de 16 anos, afirma que gosta de black metal, o que alimenta as minha expectativas. “Burzum, Mayhem, Dark Throne?”, perguntei. “Claro”, respondeu. Mas quando o assunto é o fogo, igrejas e coisas do tipo ela também reconhece nunca ter ouvido falar. Com o endereço da wikipedia em mãos convidei ela a ler o artigo, quem sabe para refrescar a memória. “Oh, que legal!!”. Legal??

Sem respostas, mas com algumas observações interessantes. As salas de bate-papo apresentam a opção de escutar algumas rádios. Na maioria delas as músicas parecem bem familiares, quase todas cantadas em inglês, made in usa mesmo… Em norueguês só a locução. E lá as pessoas também parecem buscar o seu principe/princesa encantada na rede… Estava me sentindo em casa…

Quando já estava prestes a desistir finalmente achei alguém que parecia ter condições de me ajudar. Lançada a pergunta, já despretensiosa, uma resposta interessante: “Sim, lembro”. Mas ao descobrir que eu era homem o papo realmente não fluiu. “Estou sem tempo agora, ok?”. Fazer o que, né…

Continua… (ou não)