Em 1991, quatro músicos do conservatório de Ulaanbataar, na Mongólia, se juntaram para fazer trilhas sonoras para um teatro de contos de fada e mitos. Nascia assim o Egschiglen, que em português, significa “bela melodia”.

O objetivo do Egschiglen sempre foi preservar e divulgar a cultura tradicional do povo mongol. As apresentações da orquestra são acompanhadas pelo morin khuur, um violão com cabeça de cavalo e cantadas numa técnica chamada de Canto Difônico, onde o músico manipula o ar que passa por suas cordas vocais, produzindo um efeito bem característico.

O último trabalho do grupo foi o cd Gobi, lançado em 1997. Até hoje eles continuam fazendo shows e divulgando a cultura mongol. A orquestra hoje tem oito membros, três tocando o morin khuur (Tumenbayar Migdorj, Huyagsaihan Luvsanaharav e Tumursaihan Yanlav), um músico no baixo (Uuganbaatar Tsend-Ochir), dois solistas vocais (Amartuwshin Baasandorj e Sarangerel Tserevsamba Joochin), um perito em percussão asiática (Wandansenge Batbold) e uma dançarina (Ariunaa Tserendavaa)

Para você conhecer um pouco do som do Egschiglen, segue o vídeo da apresentação da orquestra no Festival Tam Tam, do ano passado. A filmagem é amadora, mas o som é bom.