E do hip-hop também. A banda Svenska Akademien é a principal representante de uma interessante cena sueca de reggae. Formada em 1999, tem seu nome em referência àquela mesma academia que entrega o prêmio Nobel ano a ano. A cidade de origem, Landskrona, fica bem ao sul da Suécia, na região conhecida como Escânia, e a banda também canta no dialeto local, o que, aliás, não é nenhuma novidade em se tratando dos artistas daquela região.

Como banda de reggae que se preze, a Svenska Akademien canta uma temática recheada de ideologia libertária. Eles negam a definição de esquerdistas ou verdes, e dizem apenas fazer música. Mas quem acompanhou o lançamento do CD solo do vocalista General Knas – Äntligen har rika människor fått det bättre (Finalmente os ricos conseguiram melhorar de vida) – e ouviu músicas como “Ctrl+Alt+Del” – metáfora do aparato social que está à beira do colapso e necessita de medidas drásticas como um computador em pane – não tem dúvidas de que estes suecos têm muito a nos dizer sobre o que é pensado da e para a sociedade no seu pedaço de mundo.

Essa galera já lançou cinco CDs, o último deles, Gör det ändå, foi comentado no quadro Saído do Forno do nosso programa semanal. Assim como muitos grupos de reggae do Velho Mundo, eles vão do reggae ao hip-hop com a maior naturalidade, e fica difícil escolher qual música é melhor. E não é nenhum hip-hop com batidas secas e vocal nervoso, não: é melodia muito bem trabalhada, com as partes faladas e cantadas se alternando suavemente, sem aquela artificialidade do sampler. O vocal alternado entre jogral/coral funciona muito bem no hip-hop, mas nem tanto no reggae, deixando-o menos dinâmico. Recomendo “Kärleskrigare” de reggae e “Ctrl+Alt+Del” de hip-hop no segundo CD, Tändstickor för mörkrädda. E, claro, em relação ao CD mais novo, logo, logo a gente fala dele por aqui. Para fechar, o clipe de “Vetande”, ou “conhecimento”. Ah, o nome dela é Agnes Olsson.